Em conteudo-do-leitor

Como medir o risco e o retorno dos fundos de investimento?

Confira o texto do Alexandre Rodolfo Schulze na seção "Conteúdo do Leitor" do InfoMoney

investimento risco análise medida finanças
(Shutterstock)

Autor:Alexandre Rodolfo Schulze, 35 anos, Assessor de Investimentos

Os fundos de investimento são uma classe importante dentre os diferentes ativos do mercado financeiro e são, para muitos, o primeiro investimento que permite uma diversificação e rentabilidade a baixo custo. 

No entanto, a escolha pelo melhor fundo muitas vezes é baseada somente em rentabilidade verificada. Não quero dizer que é errado utilizar o indicador rentabilidade, mas deixar claro que as informações quando não colocadas na perspectiva correta, podem ser enganosas às vezes.

O real desempenho de um fundo pode ser avaliado quando os retornos que gera são avaliados com relação ao risco que assume. É aí que entre o Índice de Sharpe - IS, também conhecido como índice de eficiência que indica ao investidor se os riscos assumidos pelo fundo foram bem remunerados. 

O IS, criado por Willian Sharpe, é um dos mais utilizados na avaliação de fundos de investimentos, medindo o desempenho sob a perspectiva da rentabilidade e do risco. O IS ajuda a tornar o desempenho de um fundo comparável à de outro fundo, pois não necessariamente o fundo mais rentável é o melhor.

Para calcular o IS é importante saber o retorno do investimento, o retorno do ativo livre de risco (o retorno do ativo com menor risco na economia no mesmo período - o CDI é utilizado para ativos nacionais e o T-bill é muito usado para ativos internacionais) e a volatilidade do ativo. A fórmula é:

IS = ( Ri – Rf ) / (si )

Onde:
IS = Índice de Sharpe
Ri = Retorno do Investimento
Rf = Retorno do ativo livre de risco (CDI por exemplo)
si = Volatilidade do ativo

Vejamos um exemplo para entender isso bem. Se o Fundo A gera um retorno de 13%, enquanto o Fundo B gera um retorno de 15%, então parece que o Fundo B tem um melhor desempenho. No entanto, é possível que o Fundo B tenha assumido muito mais riscos para gerar o maior retorno, caso em que o retorno adicional não é devido a melhores habilidades do gestor, mas sim uma compensação pelo aumento do risco do fundo.

Continuando com o exemplo anterior, suponhamos que o Fundo A tenha uma volatilidade de 8% enquanto o Fundo B possui uma volatilidade de 11% e a taxa livre de risco é de 3%. Com base nessas informações, o IS para o Fundo A é 1,25 enquanto que para o Fundo B é 1,09. Portanto, podemos dizer que o Fundo A realmente melhorou com base no risco, o que revela a capacidade do gestor do fundo em conseguir um melhor retorno para seus investidores correndo menores riscos. 

Já um IS negativo revela que o fundo tem um retorno abaixo do ativo com menor risco na economia (CDI), nesse caso seria mais vantajoso investir no ativo com menor risco. 

Quer ver seu texto publicado no InfoMoney? Nós também! Clique aqui e envie seu artigo.

Contato