Em mercados / acoes-e-indices

Irmãos Batista viram réus por manipulação do mercado, Petrobras pede registro para BR Distribuidora; mais 7 notícias

Confira as principais notícias do radar corporativo na noite desta segunda-feira

SÃO PAULO - O dia de queda tímida do Ibovespa contrastou com os movimentos mais expressivos registrados nas ações negociadas no mercado brasileiro nesta segunda-feira. Enquanto Vale e Petrobras subiram no embalo das commodities, assim como as companhias do setor de papel e celulose, o pregão foi de novo pesadelo às varejistas em meio aos temores com as operações da Amazon. Com um noticiário tão agitado, convém ao investidor ficar atento aos fatos que surgem durante a noite e antes da próxima abertura da B3, evitando surpresas desagradáveis.

Confira as principais notícias do mercado na noite desta segunda-feira:

JBS (JBSS3)
O juiz federal João Batista Leite, da 6.ª Vara Federal, em São Paulo, aceitou, nesta segunda-feira, denúncia do Ministério Público Federal contra os irmãos Joesley e Wesley Batista, principais acionistas do Grupo J&F. A dupla é acusada por uso de informação privilegiada e manipulação do mercado em transações no mercado financeiro ocorridas entre abril e 17 maio (data da divulgação dos dados relacionados à delação premiada firmada com a PGR), a partir de dados coletados na Operação Acerto de Contas, desdobramento da Tendão de Aquiles.

Para o Ministério Público Federal, em São Paulo, os irmãos "minimizaram prejuízos mediante a compra e venda de ações e lucraram comprando dólares com base em informações que dispunham sobre o acordo de delação premiada que haviam negociado com a Procuradoria-Geral da República".

O relatório final da PF na Tendão de Aquiles foi entregue ao Ministério Público Federal. Segundo o documento, com a assinatura do compromisso de delação premiada, os irmãos tiveram a certeza de que aquele documento "era impactante" e a informação poderia ser utilizada no mercado.

Ainda no noticiário da companhia, a CVM (Comissão de Valores Mobiliários) abriu processo administrativo sancionador contra o diretor de relações com investidores, Jeremiah O'Callaghan. O executivo é acusado de suposta infração ao dever de informar, por não inquirir os administradores e controladores da JBS sobre
informações referentes à delação premiada assinada com o Ministério Público, conforme noticia O Estado de S. Paulo, citando dados do processo. Para a reguladora do mercado de capitais brasileiro, O'Callaghan também falhou por divulgar de forma inapropriada comunicação com informações sobre o que seria um fato relevante.

Por fim, a JBS Foods International solicitou o consentimento da SEC (Securities and Exchange Commission) -- a reguladora do mercado de capitais dos Estados Unidos -- para retirar o pedido de IPO (Oferta Pública Inicial, da sigla em inglês), já que decidiu não prosseguir com a venda de valores mobiliários no momento.

Petrobras (PETR3; PETR4)
A estatal protocolou pedido junto à CVM (Comissão de Valores Mobiliários) de registro de distribuição pública secundária de ações ordinárias da BR Distribuidora, segundo fato relevante ao mercado. Segundo a nota, a distribuição secundária será realizada no Brasil, com esforços de colocação no exterior. O percentual deverá ficar entre 25% e 40% da participação detida pela Petrobras.

Linx (LINX3)
A companhia comunicou ao mercado que Dennis Herszkowicz deixou os cargos de vice-presidente de finanças e diretor de relações com investidores para assumir a recém criada vice-presidência com foco na expansão da companhia em novos mercados. Ainda de acordo com fato relevante divulgado na noite desta segunda-feira, as diretorias de fusões e aquisições, meios de pagamento e TEF e inteligência de varejo passarão a reportar ao executivo. O substituto de Herszkowicz na vice presidência de finanças da Linx será Pedro Holmes Moreira, eleito em reunião de conselho realizada mais cedo.

Minerva (BEEF3)
A processadora de proteína animal informou o mercado que resgatou antecipadamente a totalidade das debêntures de 4ª emissão, em operação que somou R$ 155,8 milhões. Os papéis tinham vencimento para junho de 2018.

MRV Engenharia (MRVE3)
A companhia informou que suas vendas líquidas subiram 21% no terceiro trimestre, ante o mesmo período no ano anterior, para R$ 1,28 bilhão. De acordo com os dados operacionais divulgados, as vendas brutas ficaram em R$ 1,55 bilhão, o que corresponde a um novo recorde na empresa. Os lançamentos somaram R$ 1,41 bilhão entre julho e setembro, em uma alta de 72% na comparação anual. Os distratos, por sua vez, caíram R$ 16%, para R$ 265 milhões, o que fez sua relação com as vendas cair de 22,9% para 17,1%.

Santander Brasil (SANB11)
Entre as grandes instituições financeiras que operam no país, o Santander foi o que obteve o maior número de reclamações no terceiro trimestre, informou o Banco Central. A companhia foi alvo de 1.600 reclamações consideradas procedentes no período, o que lhe rendeu o índice mais elevado da lista. De acordo com o levantamento, o maior volume de ocorrências está relacionado a queixas de clientes por irregularidades relativas à segurança, sigilo ou legitimidade das operações de internet banking.

PetroRio (PRIO3)
A petroleita solicitou à ANP (Agência Nacional do Petróleo) a redução de 50% no valor dos royalties pagos sobre a produção no campo de Polvo, na Bacia de Campos. A companhia pretende investir US$ 60 milhões na revitalização do campo. Para isso, ela pede uma redução nos royalties de 10% para 5%. Conforme argumenta o diretor financeiro da empresa, Bener Mayhew, Polvo é um campo maduro com produção em declínio.

Joesley Batista
(Rovena Rosa/Agência Brasil)

Contato