Em mercados

Menor inflação em 19 anos, Fed e bateria de 6 indicadores agitam o mercado na próxima semana

Entre os destaques da agenda de indicadores, será apresentado o IPCA de 2017, que deve ficar em 2,79%, o menor desde 1998

Analistas

SÃO PAULO - Com a política ainda "tranquila" diante do recesso parlamentar, o mercado se vira para uma nova bateria de indicadores econômicos, que prometem agitar a segunda semana do ano. Enquanto o presidente Michel Temer ainda articula nos bastidores apoio para a reforma da Previdência, as atenções se voltam para a proximidade do julgamento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no TRF-4.

O principal indicador na próxima semana será o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), divulgado na quarta-feira (10), às 9h (horário de Brasília). Segundo a GO Associados, o dado deve ficar em 0,28% em dezembro do ano passado, fazendo o índice oficial da inflação do ano fechar em 2,79%, inferior ao piso da meta do Banco Central, de 3%. Se isso ocorrer, será o menor nível da inflação no País desde 1998, quando terminou o ano em 1,65%.

Vale lembrar, que com este resultado, o Banco Central terá que se justificar por que não conseguiu cumprir sua meta. Os discursos das autoridades do BC indicam que a justificativa recairá sobre o choque positivo agrícola, que culminou na queda de cerca de 5,2% dos preços dos alimentos no domicílio ao longo de 2017.

Entre os outros dados nacionais que serão apresentados, haverá ainda o indicador de vendas no varejo, na terça-feira (9) às 9h. A projeção é que novembro mostre uma quase estabilidade em relação ao mês anterior, enquanto para os dados do setor de serviços, que saem na sexta-feira (12), a expectativa é mais otimista, influenciado pela recuperação da indústria.

Na agenda externa, nos Estados Unidos, os destaques são os dados de inflação ao consumidor e vendas no varejo referentes ao mês de dezembro. Ambos os dados serão divulgados na sexta. Além disso, em todos os dias da próxima semana, incluindo o fim de semana, diretores dos Feds regionais farão discursos e podem dar detalhes sobre a visão da autoridade sobre o futuro da política monetária do país.

Segundo a GO Associados, a combinação entre um bom crescimento econômico, aliado a uma baixa taxa de inflação, tem aumentado a confiança dos investidores em nível global, e impulsionado os mercados. A expectativa é que os dados de dezembro reforcem este cenário, fato que mantém a perspectiva de aumento gradual dos juros.

Já na Zona do Euro, também serão divulgados vários dados de atividade ao longo da semana. Na segunda-feira (8) sai o dado do varejo, enquanto no dia seguinte será publicada a taxa de desemprego. Na quinta-feira (11) é a vez da produção industrial. A região também tem mostrado recuperação da atividade, dessa forma, os dados que serão divulgados ao longo da semana são importantes para calibrar a velocidade de crescimento no bloco econômico, afirma a GO.

Contato