Em mercados / politica

Temer é o chefe da quadrilha mais perigosa do Brasil, diz Joesley Batista à revista

"Quem não está preso está hoje no Planalto. Essa turma é muita perigosa", disse o empresário à revista Época

SÃO PAULO - Em entrevista à revista Época desta semana, o empresário Joesley Batista (cuja delação levou à maior crise política do governo Michel Temer) afirmou que o presidente é chefe de organização criminosa. "Essa é a maior e mais perigosa organização criminosa deste país. Liderada pelo presidente", disse ele na entrevista.

"O Temer é o chefe da Orcrim (organização criminosa) da Câmara. Temer, Eduardo (Cunha, deputado cassado), Geddel (Vieira Lima, ex-ministro da Secretaria de Governo do governo Temer), Henrique (Eduardo Alves, ex-ministro do Turismo no governo Temer), (Eliseu) Padilha (atual ministro da Casa Civil) e Moreira (Franco, atual ministro da Secretaria-Geral da Presidência). É o grupo deles. Quem não está preso está hoje no Planalto. Essa turma é muita perigosa. Não pode brigar com eles. Nunca tive coragem de brigar com eles. Por outro lado, se você baixar a guarda, eles não têm limites. Então meu convívio com eles foi sempre mantendo à meia distância: nem deixando eles aproximarem demais nem deixando eles longe demais. Para não armar alguma coisa contra mim. A realidade é que esse grupo é o de mais difícil convívio que já tive na minha vida", disse ele. 

Joesley contou que conheceu Temer por meio do ex-ministro Wagner Rossi entre 2009 e 2010. “Nunca foi uma relação de amizade. Sempre foi uma relação institucional, de um empresário que precisava resolver problemas e via nele a condição de resolver problemas. Acho que ele me via como um empresário que poderia financiar as campanhas dele – e fazer esquemas que renderiam propina. Toda vida tive total acesso a ele. Ele por vezes me ligava para conversar, me chamava, eu ia lá”.

Ao ser perguntado sobre a razão para se relacionar com o grupo de Temer, Cunha e Lúcio Funaro (operador financeiro do PMDB da Câmara) Joesley disse: "Eles foram crescendo no FI-FGTS, na Caixa, na Agricultura - todos órgãos onde tínhamos interesses. Eu morria de medo de eles encamparem o Ministério da Agricultura. Eu sabia que o achaque ia ser grande. Eles tentaram. Graças a Deus mudou o governo e eles saíram. O mais relevante foi quando Eduardo tomou a Câmara. Aí virou CPI para cá, achaque para lá. Tinha de tudo. Eduardo sempre deixava claro que o fortalecimento dele era o fortalecimento do grupo da Câmara e do próprio Michel. Aquele grupo tem o estilo de entrar na sua vida sem ser convidado".

 Ele ainda falou  seus pagamentos a Eduardo Cunha e Lucio Funaro depois da prisão de ambos pela Polícia Federal: “Virei refém de dois presidiários”. Segundo Joesley, cada um dos dois indicaram, antes mesmo de serem presos, as pessoas que seriam seus interlocutores. Cunha apontou seu funcionário chamado Altair e Funaro nomeu seu irmão, Dante, e depois sua irmã, Roberta.

 

Joesley Batista
(Reprodução)

Contato