Em onde-investir / fundos-de-investimento

Economista não tem feeling de mercado? Resultados da Mauá Capital provam o contrário; veja entrevista

Com um economista na equipe para cada "portfolio manager", gestora com 13 anos de estrada acumula uma performance superior a 160% do CDI nas janelas de 12 e 36 meses; confira a entrevista com o CIO da asset, Luis Alberto Garcia, ao "Papo com Gestor"

SÃO PAULO - Ter uma performance resiliente em um momento de alta volatilidade do mercado já é algo a ser exaltado, mas contar com profissionais com a expertise tanto no setor público quanto no privado com certeza contribui na tomada de decisões. É o que conta Luis Alberto Garcia, CIO da Mauá Capital, no programa Papo com Gestor desta semana. (Assista no vídeo acima)

Fundada em 2005 por Luiz Fernando Figueiredo (ex-Itaú BBA e ex-Banco Central), a asset possui R$ 6 bilhões em ativos sob gestão e administra o fundo Mauá Macro, que apresenta nos últimos 12 meses ganhos de 165% do CDI e de 163% do CDI nos últimos 36 meses (até o fechamento de maio).

Garcia chegou em 2015 na gestora e sua chegada coincidiu com uma melhora na performance dos fundos da casa. Assim como seu "xará" Figueiredo, Garcia iniciou a carreira no JPMorgan no final dos anos 1980, e teve passagens também nas áreas de renda fixa, bolsa e câmbio do Itaú BBA antes de ingressar na Mauá.

Além da senioridade de seus profissionais, um dos diferenciais da asset é o foco na economia: "temos um economista para cada 'portfolio managers'", explica o CIO. São 5 economistas trabalhando em conjunto com os 5 gestores de portfólio, o que evidencia a importância de uma análise macro para as tomadas de decisões.

Apesar do foco em uma análise macroeconômica, o CIO da Mauá explica que o momento atual exige “posições táticas”: “Neste momento, em que o preço está sendo dominado pelo componente eleitoral, é muito mais incerto e difícil de se construir um cenário estrutural, sendo mais fácil fazer cenários táticos”, diz o gestor, que classifica esse momento como de baixa qualidade de risco - o que na prática significa que é muito difícil montar posições de longo prazo.

Devido à sensibilidade atual do mercado, ele diz que o “segredo” para ter uma boa performance é encontrar assimetrias “gritantes”, privilegiando nos ativos brasileiros posições táticas de curto prazo. “Nada que se sustente com as diversidades dos cenários eleitorais já que é muito difícil de se ter uma assertividade grande nos preços”, diz.

Por ser uma casa focada em macro, inevitavelmente o assunto "cenário econômico" foi explorado na conversa: Garcia falou sobre sua convicção em posições nas treasuries americanas (hoje a maior posição do fundo) devido ao ciclo de alta de juros nos EUA, explicou o que precisa acontecer para o dólar ir muito "muito além de R$ 4” e traçou o que seria o melhor e o pior cenário para os mercados ao longo do segundo semestre do ano. Confira a entrevista completa no vídeo acima.

Papo com Gestor é um programa de entrevistas semanais apresentado por Thiago Salomão, editor-chefe do InfoMoney. O programa é fruto de uma parceria com a XP Investimentos e trará toda semana uma entrevista com gestores que estão se destacando dentro da lista de fundos da plataforma digital da XP.

Quer investir no fundo Mauá Macro? Abra uma conta na XP

Contato