Em onde-investir / previdencia

Investidor brasileiro que saiu do zero conta o que é necessário para conquistar o milhão

“A independência financeira não virá do dia para a noite. Só consegui a minha após muito trabalho e foco”, destaca Robinson Trovó

SÃO PAULO – Conquistar a independência financeira é um processo longo e, muitas vezes, distante da realidade. O sonho de ter mais tempo livre e poder fazer aquilo que você ama é muito comum e por mais difícil que seja, é possível. Robinson Trovó, criador da Trovó Academy e investidor que conquistou o primeiro milhão antes dos 30 anos, conta que alcançar esse sonho pode estar mais próximo do que você imagina. Para isso, ele listou as principais medidas que devem ser tomadas, de acordo com sua experiência, para viver de renda:

1- Pense na aposentadoria

Trovó aponta que o primeiro passo para buscar a independência financeira é a preocupação com a velhice. Segundo ele, esse foi um dos principais fatores que o levou a começar a investir: “Todos vamos envelhecer e ninguém quer chegar nesse período da vida tendo que trabalhar ou gastando o pouco dinheiro que recebe com remédios e planos de saúde”.

2- Não se preocupe com o que os outros pensam

O educador financeiro explica que não é necessário saber poupar para alcançar a independência financeira, utilizando o método de separar em envelopes os gastos mensais daquilo que deve ser poupado para ensinar seus alunos. O grande problema, segundo ele, é o consumismo, responsável pelos gastos excessivos para cobrir o que os outros pensam. “O maior erro da sociedade é exigir que a gente tenha um ótimo emprego, ótimo carro, ótimas roupas e uma casa super bonita como sinônimo de sucesso”, critica.

Na opinião do investidor, evitar viver dessa forma permite que você consiga poupar de uma forma mais saudável, reduzindo gastos com compras desnecessárias e vivendo uma vida de acordo com as suas condições financeiras.

3- Economize com disciplina

Com relação ao processo de economia, o investidor conta que é preciso ter muita disciplina para seguir o projeto até o final. “Muitas pessoas desistem no meio do caminho porque não resistem a alguma compra mais cara ou não querem juntar as notas fiscais dos gastos, e acabam perdendo o controle”, diz. É necessário, segundo ele, persistir e ter força de vontade até alcançar a meta inicial: “A independência financeira não virá do dia para a noite. Só consegui a minha após muito trabalho e foco”, destaca.

4- Fuja do imediatismo 

O investidor aponta o imediatismo como outro inimigo da independência financeira, pois, segundo ele, as pessoas que querem resultados rápidos geralmente não conseguem poupar nem investir. Além disso, ele frisa que a consciência com os gastos deve se manter pelo resto da vida, mesmo quando já conquistada a independência financeira. “É um estilo de vida”, diz.

5- Tenha transparência com a sua família 

Dividir os planos financeiros com o cônjuge, filhos e outros familiares envolvidos nos gastos e na renda mensal é fundamental para manter uma transparência, pois é importante que todos saibam dos planos e tenham foco nos mesmo objetivos. “Muitos casais acabam se divorciando por problemas financeiros que geralmente começam na falta de transparência e comunicação”, explica Trovó.

6- Saiba onde quer chegar

É preciso ter definido quanto se busca receber como renda, para que esta seja satisfatória e atenda aos seus objetivos no curto e longo prazos. Segundo Trovó, do mesmo modo como não existe um rendimento ideal, já que ele varia de acordo com as exigências de cada um, não há um salário perfeito para que você possa poupar e chegar ao ponto de viver apenas da sua renda. “A independência financeira não depende do quanto você ganha, e sim de quanto você gasta”, afirma.

7- Aplique a regra do 0,01 e 0,4

Para calcular o quanto é preciso para conquistar a independência financeira, Trovó afirma que é possível pegar o salário almejado, dividi-lo por 0,01 e depois, dividi-lo novamente por 0,4. O primeiro valor, segundo ele, se refere à rentabilidade mensal média dos investimentos, que é 1%. Já o segundo, é para que seja utilizado somente 40% dos rendimentos. O educador financeiro explica que é necessário manter 60% da renda, de forma a sempre acompanhar a inflação: “Essa é a grande vantagem de investir, já que os salários raramente acompanham o aumento dos custos de vida”. Ainda, utilizando como exemplo alguém que deseja ganhar R$ 3 mil por mês, o investidor calcula que se seguido o conselho de poupar tal porcentagem, a pessoa consegue chegar ao valor de R$ 750 mil reais investidos no tempo estipulado.

Milionário
(Shutterstock)

Contato